Home Biografia, letras, curiosidades e mais Videografia Videografia: Run the World (Girls)

Videografia: Run the World (Girls)

Teaser e lançamento
O vídeo de Run the World (Girls) foi dirigido Francis Lawrence, que também trabalhou com Beyoncé nos clipes de “Independent Women”, de 2000, e “Emotion”, de 2001, ambos do Destiny’s Child. Beyoncé trabalhou com oito coreógrafos, incluindo Frank Gatson e Sheryl Murakami. Missy Galanida foi a produtora executiva do vídeo.

Cenas dos bastidores mostraram, antes da estréia do clipe, que ele traria um belo número coreográfico, mostrando uma Beyoncé loira usando um vestido branco da Givenchy, filmando algumas cenas em Mojave Desert, na Califórnia. Outras partes do vídeo foram gravadas em Inglewood, também na Califórnia.

Fotos das filmagens vazaram na Internet no dia 12 de abril de 2011, mostrando Beyoncé no que parecia ser um campo de batalha pós-apocalíptico, vestindo um figurino de gladiadora com uma coroa dourada e agitando uma bandeira vermelha com um “B” nela. Ela estava cercada por dançarinos vestindo roupas coloridas por baixo de jaquetas militares e quepes.

Outras imagens mostravam um exército de mulheres posando em frente a um carro com a palavra “Revolução” pichada em suas portas.

No dia 13 de abril, mais imagens vazaram, dessa vez mostrando Beyoncé em um vestido amarelo, botas e luvas. No dia 20, um teaser do vídeo foi lançado no site oficial da cantora, que descreveu o vídeo como “A Revolução B”. O teaser começava mostrando uma cerca de arame farpado e logo depois mostrava Beyoncé montando em um cavalo negro.

O vídeo demorou três dias para ser filmado, de 11 a 13 de abril de 2011. Em uma entrevista a MTV no dia 18, o diretor falou um pouco mais aprofundadamente sobre o vídeo:

“Eu filmei um vídeo da Beyoncé no início da semana passada, na segunda, na terça e na quarta, e foi divertido, porque eu não fazia um vídeo desde 2009. Ele será grande, será um dos maiores vídeos da carreira de Beyoncé. E a música é inacreditável, é uma música fantástica. Eu realmente espero que a música pegue e acho que o vídeo foi bem divertido, legal e diferente para ela.”

Francis Gatson também falou à MTV sobre a locação do vídeo:

“Devo dar os créditos pelo ambiente do vídeo à Beyoncé e ao Francis. Ela realmente desafiou Francis a achar um mundo que fosse único para ela. Nós poderíamos ter o filmado facilmente no centro de Los Angeles. Nós poderíamos ter o filmado facilmente no centro de Nova York, mas era realmente importante para ela achar um lugar único para sua imagem e para seu novo projeto.”

No dia 4 de maio, um sneak peek de vinte segundos do vídeo foi lançado, mostrando uma tropa de mulheres em uma área rural. Beyoncé não chega a aparecer durante essa preview.

Um terceiro teaser foi lançado no dia 10 de maio, mostrando a cantora em frente a um carro pegando fogo, cavalgando e reunindo sua tropa para um batalha naquele estranho mundo pós-apocalíptico.

(Clique aqui para ver o primeiro teaser, aqui para ver o segundo e aqui para assistir ao terceiro.)

No dia 12 de maio, Beyoncé selecionou um grupo de fãs para escutar às prévias de cinco músicas de seu quarto álbum de estúdio e assistir ao vídeo de Run the World (Girls).

O lançamento do vídeo estava programado para ser lançado no dia 13 de maio ás 12:01, mas o Vevo confirmou via Twitter que ele seria adiado devido ao perfeccionismo de Beyoncé.

O vídeo, então, estreou durante um episódio do reality show American Idol no dia 18 de maio. No mesmo dia, um contador apareceu no site oficial de Beyoncé marcando a contagem regressiva para a estréia online.

Influências
Billy John, do Yahoo! Music, comentou que o temática militar do vídeo de “Run the World” lembra o filme “Mad Max” (1979), com Tina Turner, e o vídeo “Rhythm Nation” (1989), de Janet Jackson. Além disso, Beyoncé também faz referência imagens de alguns de seus vídeos anteriores, como “Crazy In Love” (2003), “Baby Boy” (2003) e “Déjà Vu” (2006).

No seu vídeo de 2003 para “Crazy In Love”, o então namorado e agora marido de Beyoncé, Jay-Z, joga um isqueiro no chão, causando um incêndio em um carro. Essa cena foi repetido no vídeo “Diva”, de 2009, onde a cantora acende um cigarro e jogar o isqueiro em um carro, que explode. Uma cena similar faz parte do vídeo de “Run the World”, onde um carro também explode enquanto Beyoncé está cantando.

Moda
Seu figurino no vídeo vai de armaduras à lingeries e roupas de alta-costura. Logo no início do clipe, vemos Beyoncé em um vestido vermelho e dourado da coleção de outono/inverno 2010 do estilista Alexander McQueen, além de botas de cano alto da mesma coleção.

(Clique aqui e leia um artigo completo e especializado sobre a moda em “Run the World”. Em inglês.)

Na parte da coreografia na areia, ela usa um Norma Kamali preto e, na cena com as hienas, um vestido Givenchy. Na cena que Beyoncé parece estar pronto para entrar em guerra contra o mundo, ela usa um vestido preto da coleção de primavera de Jean Paul Gaultier. Um curtíssimo vestido Gareth Pugh, dourado brilhante, e dois vestidos de Emilio Pucci – um verde limo e o outro verde esmeralda de corte assimétrico – completam o pequeno show de alta-costura.

Coreografias
Beyoncé contratou 242 dançarinos e o grupo de dança moçabicana Tofo Tofo para aparecer no vídeo. O grupo ensinou passos da dança chamada “kwaito” para Beyoncé, que foram usados na coreografia do clipe. Um dos oito coreógrafos, Frank Gatosn, disse à MTV que o vídeo mistura vários estilos de dança:

“Nos preparamos muito para isso. Vimos algumas coisas no YouTube; vimos três caras africanos, esse grupo de dança moçabicano… nós dissemos ‘Uau, esses passos são incríveis.’ E esse tipo de dança estava em nossas cabeças desde o final do ano passado. Desde então, conversamos muito sobre nossas idéias. Nós dizemos ‘Compartilhe a luz que você brilhará mais,’ então compartilhamos nossa luz com muitas pessoas novas e criativas. Eu senti que nós realmente conseguiríamos bons resultados e devo tirar meu chapéu para os caras do Tofo Tofo, porque nenhum de nós conseguimos imitá-los. Tivemos que trazê-los aqui para aprender os passos, o que é realmente interessante. Eles tem uma grande quantidade de passos. Isso foi, provavelmente, uma das experiências mais bonitas pelas quais Beyoncé passou. Eles estavam muito honrados. Foi difícil achá-los. Eles moram numa area bem isolada; tivemos que entrar em contato com pessoas da embaixada. Foi um processo que demorou dois meses, ou mais. Beyoncé realmente os amou e tenho certeza que trabalharemos com eles novamente. Foi mágico.”

O vídeo a seguir mostra algumas semelhanças entre o trabalho dos Tofo Tofo em parceria com Beyoncé e seus projetos anteriores:




Na maior parte da coreografia, Beyoncé é bem minimalista, às vezes focando em apenas um passo que acentua o ritmo rápido da música. Knowles começa a dança com um “balanço ombrístico de vinte segundos”, e outros passos que se seguem focam em suas pernas, pés ou mãos. Ela incorporou, também, alguns passos de hip hop, jazz e street do final dos anos 80. Como noticiado pelo The Daily Mail, parte da coreografia de “Run the World” parece ter sido inspirada no Riverdance, um estilo de sapateado tradicionalmente irlandês, conhecido por movimentos de perna rápidos enquanto o corpo e os braços não se mexem muito.

Animais
Como comentado pelo Guardian, o vídeo também lembra o trabalho do fotógrafo sul-africano Pieter Hugo. As fotos que tirou dos “homens das hienas”, – artistas de circo que fazem apresentações com hienas em correntes – na Nigéria, foram lembradas numa cena na qual Beyoncé segura duas hienas acorrentadas.

Influências do trabalho de outro fotógrafo, Ed Kashi, também podem ser percebidas no vídeo.

Numa entrevista ao The New York Post, a produtora do vídeo, Missy Galanida, explicou que Beyoncé na verdade não segurou nenhuma hiena e que ninguém podia ficar no set de filmagens enquanto os animais estavam sendo filmados. O diretor Francis Lawrence levou duas hienas ao set, mas somente uma foi usada nas filmagens. Além disso, ele não a acorrentou de verdade, apesar de querer fazê-lo, mas sem obter permissão para tal.

Galanida disse: “[Hienas] são animais difíceis de se filmar, e são perigosas também, então tivemos que ter muito cuidado. Nós basicamente a duplicamos e adicionamos as correntes.”

O vídeo
O vídeo começa com Beyoncé montada em um cavalo negro em um deserto. Enquanto o cavalo levanta as patas dianteiras, cenas de Beyoncé em cima de um carro arruinado são mostradas, enquanto ela comanda um grande exército de mulheres.

Cenários adicionais incluem um grande búfalo no meio do campo de batalha e um grande pôster com um desenho de Beyoncé em estilo africano.

Uma mulher amarrada em uma cruz aparece. Enquanto várias mulheres são mostradas, uma tropa de homens da SWAT aparece entrando pelo campo de batalha, enquanto o intrumental de “Pon de Floor”, de Major Lazer, toca ao fundo.

Quando as forças masculinas chegam, Beyoncé, usando um capacete grande e dourado, aparece, cercada por um leão e por um grande grupo de mulheres. Elas parecem preparadas para batalha e portam armas de combate e pôsters com o logo de Beyoncé.


Quando a música começa a tocar, Beyoncé despe sua armadura e confronta o exército masculino, iniciado a coreografia com o ombro. Seguindo com a coreografia, ela anda em direção aos homens, os intimidando com sua dança sedutora.

Logo em seguida, cenas de Beyoncé usando vários figurinos são intercaladas; na primeira, ela está usando um vestido de noite à lá “Cruella De-Vil”, enquanto segura duas hienas por correntes. Quando o confronto começa, ela aparece perto de vários veículos pegando fogo, já com outro figurino.

Quando voltamos ao enredo principal, Beyoncé aparece em frente a um pequeno grupo de seu exército feminino, usando o vestido amarelo e as botas de cano alto pretas da capa do single. Enquanto a dança continua, cenas dos dois exércitos em luta são mostradas, enquanto Beyoncé dança na areia. As mulheres, agora em um grande grupo, são mostradas dançando em frente à tropa masculina novamente, mas já com outros figurinos e com a aparição de algumas bandeiras ao fundo.

O vídeo termina com as mulheres encarando os homens cara-a-cara, levantando seus braços direitos e acenando a eles, enquanto Beyoncé arranca o distintivo do general e o coloca em si mesma.

Críticas
O vídeo recebeu vários elogios da crítica. Na noite da estréia do clipe, a Rap-Up parabenizou Beyoncé por começar uma “revolução de dança”.

Eric Hendersom, da Slant Magazine, ficou impressionado com o vídeo e escreveu “Beyoncé sempre se apresenta como um ser humano bem racional em sua vida pessoal. Seu lado louco fica reservado para os videos, e eu a amo por isso. O clipe é incrível.

Billy Johnson, da Yahoo! Music, escreveu que “venera a rainha de Houston, Texas” após assistir ao video. Ele elogiou figurines e coreografia, dizendo que esse é o melhor vídeo da carreira de quinze anos de Beyoncé.

Dizendo que a “rainha B retorna para clamar seu trono”, James Montgomery, da MTV New, fez uma crítica positiva ao vídeo, dizendo que a mensagem que o vídeo passa é “sutil como uma britadeira” e que ele é um “hino poderoso”.

Um reporter do Daily Mail focou sua crítica na coreografia do clipe: “é difícil imaginar que um dia a estrela de Riverdance, Michael Flatley, seria uma inspiração para a cantora. O fenômeno da dança irlandesa foi lembrado pelos passos de Beyoncé.”

Arielle Loren, da Clutch Magazine, comentou que “a crítica das feministas tradicionais a ‘Run the World’ é mais um exemplo da disconexão entre teoria intelectual e vida real.” Ela disse que o vídeo é um hino para as mulheres contemporâneas que não têm medo de ser ‘poderosas, decididas, espertas e sexy’ e que quase todas as mulheres se sentem poderosas ao ouvir as músicas de Beyoncé. Ela conclui: “Quando Beyoncé canta sobre as mulheres dominando o mundo, enquanto dança uma coreografia africana, movendo seus quadris, ela lembra à mulheres que elas podem dominar essa merd* e ainda assim ser sexy. O vídeo de Beyoncé prova que as mulheres precisam de uma nova causa. Nós finalmente poderemos dividir o feminismo em fases históricas? A quarta era do feminismo finalmente chegou?”

Nina Shen Rastogi, da Slate, escreveu que “em uma época onde tantas revoluções estão acontecendo, a ‘mensagem política’ desse vídeo (que parece ser algo como ‘roupas arrasadoras e passos de dança perfeitos = poder) parece um pouco fraca. Mas, sejamos justos, o vídeo me fez gostar da música.

Traduzido, adptado e complementado de http://en.wikipedia.org/wiki/Run_the_World_(Girls).

Nome: Run the World (Girls)
Álbum: 4
Ano: 2011
Direção: Francis Lawrence
Estréia: 18 de maio de 2011
Captures: clique aqui para ver imagens do vídeo.