Home Discografia de Beyoncé Discografia de Beyoncé: CD Dangerously In Love

Discografia de Beyoncé: CD Dangerously In Love

Data de lançamento: 24/06/03 (EUA), 01/07/03 (Brasil)
Duração: 69:44
Produção executiva: Beyoncé e Mathew Knowles
Masterização: Tom Coyne
Direção de arte: Ian Cuttler
Fotografia: Markus Klinko
Cabelo: Chuckie Amos
Maquiagem: Mally Roncal
Estilo: Tina Knowles e Kevin Bird
Gravadora / Selo / Distribuidora: SonyBMG / Columbia Records / Music World INC. / SonyBMG Brasil

01. Crazy In Love – 3:56
Produzida por: Beyoncé Knowles, Rich Harrison.
Composta por: Beyoncé Knowles, Rich Harrison, Shawn Carter, Eugene Record
Contém samples da música “Are You My Woman”, gravada por The Chi-Lites
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

02. Naughty Girl – 3:28
Produzida por: Beyoncé Knowles, Scott Storch
Composta por: Beyoncé Knowles, Scott Storch, Robert Waller, Angela Beyincé, Pete Bellotte, Giorgio Moroder, Donna Summer
Contém samples da música “I Love To Love You Baby”, gravada por Donna Summer.
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque.

03. Baby Boy – 4:04
Produzida por: Beyoncé Knowles, Scott Storch
Composta por: Beyoncé Knowles, Scott Storch, Sean Paul, Robert Waller, Shawn Carter
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

04. Hip Hop Star – 3:43
Produzida por: Beyoncé Knowles e Bryce Wilson
Composta por: Beyoncé Knowles e Bryce Wilson
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

05. Be With You – 4:20
Produzida por: Beyoncé Knowles, Rich Harrison
Composta por: Beyoncé Knowles, Rich Harrison, Angela Beyince, Shuggie Otis, Gary Cooper
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque06.

Me, Myself and I – 5:01
Produzida por: Beyoncé Knowles, Scott Storch
Composta por: Beyoncé Knowles, Scott Storch, Robert Waller
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque07.

Yes – 4:19
Produzida por: Beyoncé Knowles
Composta por: Beyoncé Knowles, Shawn Carter
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque08.

Signs (featuring Missy Elliot) – 4:59
Produzida por: Missy Elliot
Composta por: Missy Elliot, Nisan Stewart
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

09. Speechless – 6:00
Produzida por: Beyoncé Knowles
Composta por: Beyoncé Knowles, Andreao Heard, Sherrod Barnes, Angela Beyince
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

10. That’s How You Like It – 3:40
Produzida por: D-Roy e Mr. B
Composta por: Shawn Carter, D. Andrews, B. Bridgeman
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

11. The Closer I Get To You – 4:57
Produzida por: Nat Adderley Jr.
Composta por: J. Mtume, R. Lucas
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

12: Dangerously In Love 2 – 4:54
Produzida por: Beyoncé Knowles
Composta por: Beyoncé Knowles
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

13: Beyoncé Interlude – 0:16
Produzida por: Beyoncé Knowles
Composta por: Beyoncé Knowles
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

14: Gift From Virgo – 2:46
Produzida por: Beyoncé Knowles
Composta por: Beyoncé Knowles, Shuggie Otis
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

15: Work It Out – 4:06
Produzida por: Williams e Hugo
Composta por: Beyoncé Knowles, P. Williams, C. Hugo
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque

16: ’03 Bonnie & Clyde – 3:26
Produzida por: Kanye West
Composta por: Sean Carter, Kanye West, Prince
Contém samples da música “If I Was Your Girlfriend”, de Prince.
Música gravada nos estúdios da Sony BMG em Nova Iorque
Daddy – 4:57
Produzida por: –
Composta por: –
Faixa escondida em edições de alguns países do álbum.

What’s Gonna Be – 3:35
Produzida por: –
Composta por: Beyoncé Knowles, LaShaun Owens, Karrim Mack, Corte Ellis, Larry Troutman, Roger Troutman, Kandice Love
Contém elementos da música “Do It Roger”
Bônus da edição japonesa do álbum.

Summertime – 3:54
Produzida por: Mario Winans, P. Diddy
Composta por: Beyoncé Knowles, Angela Beyincé, Sean Combs, Steven “Steven J.” Jordan, Adonis Shropshire, Varick “Smitty” Smith, Mario Winans
Lançada como single promocional para o filme “Resistindo Às Tentações”.

Keep Giving Your Love To Me – 3:08
Produzida por: –
Composta por: –
Música presente na trilha sonora do filme “Bad Boys II”.

Wishing On A Star
Produzida por: –
Composta por: –
Música gravada para campanha publicitária da fragrância Tommy Hilfigher “True Star”.

Figthing Tempation – 3:51
Produzida por: Missy Elliott
Composta por: Missy Elliott, Lana Moore, Marie Wright, Jonathan Burks, LaShaun Owens, Karriem Mack, Walter Murphy, Gene Pistilli
Música gravada para a trilha sonora do filme “Resistindo Às Tentações”.

Dangerously In Love

– Billboard Hot 200 Albums: #1
– Billboard R&B/Hip-Hop Albums: #1
– Billboard Top Internet Albums: #1
– Canadian Albums Chart: #1
– German Albums Chart: #1
– Irish Albums Chart: #1
– Norwegian Albums Chart: #1
– UK Albums Chart: #1
– European Albums Chart: #1
– United World Chart: #1
– Australian ARIA Albums Chart: #2
– Swiss Albums Chart: #2
– Belgian Ultratop 50 Albums: #3
– Dutch Albums Chart: #4
– Danish Albums Chart: #5
– Finnish Albums Chart: #6
– New Zealand Albums Chart: #8
– Swedish Albums Chart: #11
– Japanese Albums Chart: #12
– French Albums Chart: #14
– Italian Albums Chart: #16
– Portuguese Albums Chart: #16

Dangerously In Love é o álbum de estréia da carreira solo de Beyoncé. Foi lançado no dia 22 de junho de 2003 pela Columbia Records. A gravação do álbum aconteceu de meados de 2002 a março de 2003, em diversos estúdios da Sony, durante o hiatus do grupo Destiny’s Child, do qual a cantora fazia parte. O álbum, classificado como R&B e soul, contém músicas uptempo e baladas, trazendo elementos da música árabe e do hip-hop. Apesar de Knowles não revelar muito sobre sua interpretação das letras, muitos acreditam que elas sejam direcionadas a seu marido, na época, namorado, Jay-Z.

Dangerously In Love fez com que Beyoncé se tornasse uma estrela solo e uma dos artistas mais lucrativos da indústria fonográfica. O álbum estreou em #1 no Billboard 200, vendendo 317.000 cópias em sua primeira semana de vendas nos Estados Unidos. O álbum se tornou um sucesso mundial, ganhando certificado de multi-platina na Austrália, no Reino Unido e nos Estados Unidos. Dangerously In Love recebeu críticas positivas e trouxe cinco prêmios Grammy a Knowles.

Contexto
Beyoncé começou sua carreira de cantora no grupo de R&B Destiny’s Child, do qual ela era a líder, no final dos anos 1990. De acordo com Corey Moss, da MTV News, “fãs estavam doidos para ver” como Beyoncé, depois de anos no grupo, se sairia como artista solo. Enquanto gravava o terceiro álbum do grupo, “Survivor”, no final de 2000, Beyoncé anunciou que as meninas do grupo se separariam por um período curto de tempo para produzir álbuns solo, com o objetivo de chamar mais atenção para o Destiny’s Chid. A idéia de lançamentos individuais veio do empresário do grupo – e também pai de Beyoncé – Mathew Knowles.

Os álbuns das três cantoras não foram feitos para competir entre si nos charts; cada um se encaixava em um gênero musical diferente. O lançamento de cada um foi planejado cuidadosamente, objetivando alcançar o maior número de cópias vendidas para cada um.

Michelle Williams foi a primeira a lançar seu álbum, “Heart to Yours”, em abril de 2002. Enquanto isso, Beyoncé estreava nas telonas, estrelando a comédia “Austin Powers e o Homem do Membro de Ouro”, e gravava seu single de estréia, “Work It Out”, que estava na trilha-sonora do filme. Kelly Rowland trabalhou com o rapper Nelly na música “Dilemma”, que se tornou um hit naquele ano, levando a gravadora a adiantar o lançamento de seu álbum, “Simply Deep”, para o final de 2002. Beyoncé também estrelou “Resistindo às Tentações” e gravou mais um single solo para o filme. Em 2002, ela trabalhou com seu então namorado, Jay-Z, na música “’03 Boonie & Clyde”. O single deu credibilidade a Beyoncé e abriu as portas para que ela pudesse lançar “Dangerously In Love”.

Gravação
Antes de começar a gravar material para “Dangerously In Love”, Beyoncé selecionou produtores com os quais gostaria de trabalhar. Em dois dias, ela se encontrou com produtores de todo o país e os entrevistou.

Beyoncé foi para Miami, Flórida, para começar as sessões de gravação com o produtor Scott Storch, seu primeiro parceiro musical, e morou em um hotel em Miami nos meses seguintes. Como queria manter o foco no álbum, Beyoncé o desenvolveu sem trabalhar sob pressão, diferentemente do que fazia nas épocas de produção dos álbuns das Destiny’s Child.

Como fez com “Survivor”, Beyoncé participou de todo o processo de produção de “Dangerously In Love”, co-escrevendo a maioria das músicas, escolhendo os produtores e trocando idéias sobre a mixagem e a masterização das faixas. Apesar de não ter criado as batidas, ela compôs as melodias e deu algumas idéias aos produtores. Nas quarenta e três músicas gravadas, – das quais quize entraram no álbum – Beyoncé é creditada como co-escritora e co-produtora, assim como produtora executiva ao lado de Matthew Knowles.

Beyoncé disse que gravar um álbum sem seu grupo foi “libertador e terapêutico”, porque ela ia ao estúdio e compartilhava livremente suas idéias com seus parceiros de trabalho. A dependência que ela desenvolveu enquanto estava no Destiny’s Child acabou, segundo ela, dificultando que ela alcançasse sua própria criatividade.

Como queria crescer como artista, entrou em contato com outros artistas pedindo opiniões. Quando terminou de escrever as músicas, mandou cópias delas para alguns outros musicistas e convidou alguns deles para colaborar com ela no álbum. Beyoncé trabalhou, por exemplo, com Timbaland e Missy Elliot, numa faixa chamada “Wrapped Around Me”, mas ela acabou não entrando no disco.

“Dangerously In Love”, inicialmente, era o nome de uma música que Beyoncé escreveu para “Survivor”. Ela foi considerada, no entanto, muito “sofisticada” para o álbum das Destiny’s Child, e o grupo decidiu não lançá-la como single. Depois de gravar várias faixas para seu primeiro álbum solo, Beyoncé decidiu adicionar “Dangerously In Love” a ele, depois de perceber que ela se encaixava no tema do álbum.

Como o lançamento do álbum foi adiado para não bater de frente com “Dilemma”, Beyoncé teve a oportunidade de revisá-lo e melhorá-lo. Apesar de desapontada com o adiamento, Beyoncé disse que “tudo acontece por uma razão” e concordou em retornar ao estúdio para trabalhar com outros compositores. Isso fez com que ela gravasse mais músicas, incluindo o primeiro single do álbum “Crazy In Love”. No final de 2002, Beyoncé deu um tempo na produção do disco para uma turnê com as Destiny’s Chid. Nas poucas semanas na qual trabalhou no disco em março de 2003, Beyoncé trabalhou com Sean Paul e P. Diddy.

Gênero musical
Matthew Knowles disse que “Dangerously In Love” mostra as raízes musicais de Beyoncé. Enquanto Michelle e Kelly se direcionaram para o gospel e para o pop alternativo, respectivamente, Beyoncé continuou criando faixas de R&B. As músicas no álbum são de tipos diferenciados: de mid-tempos a músicas dançantes na primeira metade, e baladas na segunda. Knowles disse: “Meu álbum é bem equilibrado entre… baladas e… midtempos que são para você ouvir enquanto está dirigindo, com muitas… músicas dançantes, e músicas bem sexy, e músicas que te emocionam. É uma boa mistura de vários tipos diferentes de faixas.”

Apesar das bem dançantes “Crazy In Love” e “Naughty Girl”, o foco do álbum são as baladas lentas. Knowles disse que escreveu muitas baladas para o disco.

De acordo com Beyoncé, ela queria ser vista como uma artistas e quis mostrar seu talento: de fato, ela misturou no álbum vários gêneros e influências musicais. O álbum é formado por faixas de R&B contemporâneo, soul e rock, tendo tido influências de Jay-Z, Outkast e Lil’ Kim; o reggae é de Sean Paul e, por causa de Scott Storch, o disco tem um quê de música árabe. Seu estudo nesse tipo de música deu ao álbum uma vibração de Oriente Médio. Beyoncé e os produtores trabalharam com uma grande variedade de instrumentos.

Conteúdo lírico
Knowles disse que Dangerously In Love tem semelhanças com os álbuns das Destiny’s Child em termos de letras. Mas, como teve a oportunidade de escrever sozinha, ela pôde compor músicas mais profundas que as anteriores. Tematizado em cima dos diferentes estágios de um relacionamento, Dangerously In Love contém músicas que falam de amor e de fidelidade. Beyoncé admitiu que algumas das músicas são sobre relações sexuais.

O conteúdo pessoal do álbum, de qualquer forma, não foi totalmente inspirado nas experiências de Beyoncé – apesar de algumas músicas terem sido baseadas em fatos de sua vida. Ela explicou: “Eu queria um álbum com o qual todos pudessem se identificar e ouvir enquanto eu viver e até depois. Amor é algo que nunca sai de moda. É algo pelo qual todos passam e, se as pessoas não estão amando, elas querem sentir isso.”

Enquanto algumas músicas são focadas simplesmente na “beleza do amor”, outras exploram o outro lado da situação, como músicas que “comemoram o término de um relacionamento” e músicas que expressam o desejo de uma mulher de poder controlar seu relacionamento com um homem.

A faixa oculta do álbum, “Daddy”, é uma homenagem ao pai de Beyoncé, com quem ela trabalhava desde o início de sua carreira. A música diz como Beyoncé quer que seu futuro marido e filho tenham as qualidades do pai dele. Originalmente, Beyoncé não queria incluir a música no álbum, pois achava que a letra a fazia parecer imatura. Mais tarde, ela percebeu que a música representava o momento de transição pelo qual estava passando em sua vida e decidiu colocá-la como faixa de encerramento do álbum.

Quando “’03 Bonnie & Clyde” foi lançada como single no final de 2002, a crítica e o público especularam que Beyoncé e Jay-Z talvez estivessem tendo um caso. Apesar dos rumores, eles permaneceram calados sobre seu relacionamento. Segundo os críticos, o próprio título do álbum soa “intrigante”, já que Beyoncé escreveu músicas pessoais. Algumas das músicas parecem confirmar o relacionamento deles. Em “Signs”, Beyoncé canta sobre estar apaixonada por alguém de Sagitário, que, coincidentemente (ou não), é o signo de Jay-Z. Sobre os rumores sobre o relacionamento, Beyoncé disse: “As pessoas podem tirar a conclusão que quiserem. Essa é a beleza da música. Sou uma cantora, falarei o quanto vocês quiserem sobre minhas composições. Mas quando se trata de alguns assuntos pessoais que normalmente não se comenta com pessoas que você não conhece, eu não me sinto obrigada a falar sobre.”

Lançamento e promoção
Knowles disse que foi difícil convencer a gravadora a lançar o álbum: “Em 2003, terminei meu primeiro álbum solo. Mas quando eu o toquei para a gravadora, eles me disseram que eu não tinha um hit no álbum. Acho que eles estavam certos, porque eu tive cinco: Dangerously In Love, Naughty Girl, Me, Msyelf and I, Baby Boy e Crazy In Love.”

Quando “Dilemma” chegou ao topo do Billboard Hot 100, os empresários de Beyoncé lançaram seu primeiro single solo, “Work It Out”, da trilha sonora de “Austin Powers”, ao invés de alguma música do “Dangerously In Love”. O lançamento do álbum foi adiado de outubro de 2002 para dezembro do mesmo ano e, mais tarde, pra maio de 2003.

Beyoncé gravou uma versão de “In da Club”, mas ela não alcançou o sucesso esperado. Mais tarde, Matthew Knowles confirmou que era apenas uma gravação experimental, que não seria incluída no álbum. Enquanto Knowles não lançava seu disco, algumas das músicas vazaram online. Para evitar que mais material vazasse, o lançamento de Dangerously In Love, que já estava marcado para 8 de julho de 2003, foi adiantado para 24 de junho.

Quem comprou o album na pré-venda online ganhou o download de uma música chamada “I Can’t Take It No More”; a promoção durou até o lançamento do disco.

No dia 14 de junho de 2004, Beyoncé mostrou algumas músicas do álbum em seu primeiro show solo, em um especial da TV chamado “Ford Presents Beyoncé Knowles, Friend & Family Live Fromd Ford’s 100th Anniversary Celebration in Dearborn, Michigan”. Na noite do lançamento do álbum, esse show foi exibido em mais de vinte cinemas por todos os Estados Unidos.

Knowles também promoveu o disco em programas de TV como o Saturday Night Live, Late Show with David Letterman, The Today Show, The Early Show e The View.

Em abril de 2003, os empresários de Beyoncé estavam escolhendo, entre duas músicas, qual seria o primeiro single do disco. As duas foram mandadas para as boates e, a que fizesse mais sucesso, seria escolhida. Finalmente, “Crazy In Love” foi lançada como single do disco. A música ficou oito semanas consecutivas em #1 no Billboard Hot 100. “Baby Boy” foi o segundo single, que acabou sendo mais bem sucedido que “Crazy In Love”. Dominou as rádios e ficou no top do Hot 100 por nove semanas consecutivas. “Me, Myself and I” foi lançada como terceiro single e “Naughty Girl”, como quarto e último. Apesar dessas duas últimas só terem alcançando o Top 5 do Hot 100, elas obtiveram sucesso mais rápido, o que impulsionou a venda do álbum e o ajudou a ser certificado como multi-platina.

Singles
“Crazy In Love” foi lançado como single no meio de 2003. A crítica o considerou “delirantemente grudenta”. O single alcançou o #1 no Billboard Hot 100. Na mesma semana que “Crazy In Love” atingiu o #1, “Dangerously In Love” estreou em primeiro lugar no Billboard 200. Foi a primeira música solo de Beyoncé a atingir o #1. De acordo com o Nielsen SoundScan, “Crazy In Love” foi a música mais baixada nos Estados Unidos por quatro semanas consecutivas em julho de 2003. A música também fez sucesso internacionalmente, atingindo o #1 nos charts da Irlanda e do Reino Unido.

“Baby Boy” foi lançada como segundo single em agosto de 2003. Foi bem recebida pela crítica, que a chamou de “colaboração de alto nível” e disse que ela “aproxima o R&B do dancehall”. “Me, Myself and I” foi lançada como single em outubro de 2003. Chegou ao Top 10 no Canadá e nos Estados Unidos. “Naughty Girl” foi lançada em março de 2004.


Work It Out

– Billboard Hot Dance Club Play: #11
– Australian Singles Chart: #21
– Belgian Singles Chart: #40
– Danish Singles Chart: #14
– Dutch Top 40: #26
– Euro 200: #26
– French Singles Chart: #87
– German Singles Chart: #75
– Irish Singles Chart: #12
– New Zealand Singles Chart: #36
– Norwegian Singles Chart: #3
– Swedish Singles Chart: #23
– Swiss Singles Chart: #48
– UK Singles Chart: #7
– United World Chart: #22

Crazy In Love
– Billboard Hot 100: #1
– Billboard Hot R&B/Hip-Hop Songs: #1
– Billboard ARC Weekly Top 40: #1
– Billboard Hot Dance Club Play: #1
– Australian Singles Chart: #2
– Austrian Singles Chart: #6
– Belgian (Flanders) Singles Chart: #5
– Canadian Singles Chart: #2
– Danish Singles Chart: #5
– Dutch Top 40: #2
– Eurochart Hot 100 Singles: #1
– Finnish Singles Chart: #12
– French Singles Chart: #21
– German Singles Chart: #6
– Irish Singles Chart: #1
– Italian Singles Chart: #5
– New Zealand Singles Chart: #2
– Norwegian Singles Chart: #5
– Portuguese Singles Chart: #6
– Swedish Singles Chart: #4
– Swiss Singles Chart: #3
– UK Singles Chart: #1
– United World Chart: #1
 Baby Boy
– Billboard Hot 100: #1
– Billboard Hot R&B/Hip-Hop Songs: #1
– Billboard Hot Dance Airplay: #1
– Billboard ARC Weekly Top 40: #1
– Australian ARIA Singles Chart: #3
– Austrian Singles Chart: #18
– Belgian Ultratop 50: #11
– Danish Singles Chart: #6
– Dutch Top 40: #8
– Euro Top 100: #5
– French Singles Chart: #8
– German Singles Chart: #4
– Irish Singles Chart: #6
– Italian Singles Chart: #12
– New Zealand Singles Chart: #2
– Norwegian Singles Chart: #10
– Swedish Singles Chart: #5
– Swiss Singles Chart: #5
– UK Singles Chart: #2
Me, Myself and I
– Billboard Hot 100: #4
– Billboard Hot R&B/Hip-Hop Songs: #2
– Billboard Top 40 Tracks: #16
– Billboard Top 40 Mainstream: #18
– Billboard Rhythmic Top 40: #8
– Australian ARIA Singles Chart: #11
– Austrian Singles Chart: #51
– Belgian Singles Chart: #49
– Canadian Singles Chart: #7
– Dutch Top 40: #14
– Eurochart Hot 100 Singles: #32
– French Singles Chart: #45
– German Singles Chart: #35
– Irish Singles Chart: #21
– Italian Singles Chart: #25
– New Zealand Singles Chart: #18
– Swedish Singles Chart: #43
– Swiss Singles Chart: #41
– UK Singles Chart: #11
Naughty Girl
– Billboard Hot 100: #3
– Billboard Hot R&B/Hip-Hop Songs : #8
– Billboard Hot Dance Club Play: #1
– Australian ARIA Singles Chart: #9
– Ö3 Austria Top 40: #29
– Belgian Ultratop 50: #14
– Canadian Singles Chart: #2
– Danish Singles Chart: #15
– Dutch Top 40: #10
– French Singles Chart: # 18
– German Singles Chart: #16
– Indonesian Single Top 50: #16
– Irish Singles Chart: #14
– Italian Singles Chart: #17
– New Zealand Singles Chart: #6
– Norwegian VG-lista: #14
– Swedish Singles Chart: #32
– Swiss Singles Chart: #18
– UK Singles Chart: #10
– United World Chart: #6

Vendas
“Dangerously In Love” estreou em primeirou lugar no Billboard 200, vendendo 317.000 cópias nos Estados Unidos na primeira semana de vendas. Apesar de não ter atingido os números do terceiro álbum das Destiny’s Child, “Survivor”, que vendeu 663.000 cópias na semana de estréia, o desempenho de Dangerously In Love foi melhor do que os dos álbuns solo das outras Destiny’s Child: Kelly vendeu 77.000 cópias de “Simply Deep” em sua melhor semana de venda, e Michelle, 17.000 cópias de “Heart to Yours”. O álbum de Beyoncé ganhou certificado de platina quádrupla da RIAA.

Internacionalmente, “Dangerously In Love” também foi um sucesso. No dia 12 de julho de 2003, Beyoncé se tornou a primeira mulher e a quinta artista a ter uma música e um álbum – “Crazy In Love” e “Dangerously In Love” – no topo das paradas americanas e britânicas ao mesmo tempo. Os outros artistas que conseguiram esse feito antes dela foram os Beatles, Simon & Garfunkel, Rod Stewart e Men at Work. O álbum vendeu mais de 1.150.000 cópias no Reino Unido, ganhando certificado de platina dupla. Na Austrália, ele chegou a #2.
Até 2011, o álbum vendeu 11 milhões de cópias mundialmente.

Impacto
As sessões de gravação de “Dangerously In Love” resultaram em muitas faixas que acabaram não entrando no álbum. Beyoncé pretendia lançar um álbum com essas músicas no final de 2003. Os planos se intensificaram quando uma dessas faixas, “Summertime”, com a participação de P. Diddy, foi mandada para as rádios e fez relativo sucesso. Nesse meio tempo, Beyoncé foi chamada para cantar o hino nacional durante o Super Bowl, e teve que dedicar muito tempo à preparação de sua performance. Quando as Destiny’s Child entraram em estúdio para gravar seu quarto álbum, “Destiny Fulfilled”, os planos do outro álbum solo foram cancelados.

Com o sucesso de “Dangerously In Love” e de seus single, Beyoncé se mostrou que poderia ser uma artista solo. Rebecca Louie, do New York Daily News, escreveu que o sucesso de Dangerously In Love serviu para mostrar uma “verdadeira estrela solo que aflorou a partir de um grupo de meninas”.

Beyoncé ganhou quatro Grammys em 2004 e se tornou uma das artistas mais lucrativas da indústria fonográfica. Ela foi capa de inúmeras revistas, apareceu em vários programas de TV e fechou vários contratos publicitários.